quinta-feira, 25 de maio de 2017

Pobre rico

Enterrem tudo de uma vez
O pouco que sobrou de quem não quis viver
Não serei eu a luz no fim da cova
Enterre de uma vez sem deixar prova

Enterrem todos de uma vez
Que a sua sujeira me envergonha
Imagine se a dona Tonha fosse um Fasano ornado
Não é pecado ver a dona tristonha

Não te faz bem
Você realmente não precisa
Ser alguém pra alguém que quer ser ninguém,
E mais nada

Enterrem logo de uma vez
Viver os dias lindos de um centro de glória
Tão perto da Ipiranga com a Avenida São João
Esses lixos urbanos, como ratos, proliferarão

Voltem pros seus castelos e fumem mais
Mas deixem esse pobre amigo rico em paz
Ele usa cocaína todo dia, mas trabalha
Indicado por licitações, batalha

Sol e chuva acorda cedo
Pra ganhar o seu sustento em notas emochiladas
é cada cilada, que ele entra pra nada
Pois pobre injusto reclama de ajuda privada

O lixo não entende
Que meu filho doente e seus exames
Farão dele um valioso chefão
Então quem tem mais valia nesse império de vexames? 

Vou dizer...

Senta, cidadão comum
A bunda na escada e tome um trocado
Não esqueça de economizar cada centavo
E faz a economia girar, entendeu?
Senta, cidadão medíocre
A bunda nesse chão gelado e acenda outra pedra
Mas faz longe daqui, num beco de favela
Onde meu filho compra o pino seu de cada dia

Que agonia ter que explicar
A falência estatal, todo santo dia



segunda-feira, 22 de maio de 2017

Egoísmo e utopia: ou me ajuda amar?

De cada 10 coisas que penso, 9 são sobre coisas minhas. Sou egoísta em minhas atitudes e tenho pensamentos (ora ou outra) altruístas. Ando na corda bamba da realização dos meus sonhos e da possibilidade ao menos remota de que todas as  pessoas do mundo possam sonhar.
Eu queria morar num castelo. Só meu e de quem amo. Mas queria que todo mundo pudesse sonhar nisso também. Não realizamos? Tudo bem. Miramos a Lua. Para se errarmos, já estarmos entre as estrelas. 
Meu pai me ensinou essa frase antes de virar estrela. Minha mãe me ensinou a respeitar todo mundo e ter os pés no chão. Esse alicerce me da uma força. É ar puro. É libertador! 
No mundo dividido, eu é que não vou dizer que não tenho lado. Não me calo. Sou de utopia sim, de sonhos impossíveis e de planos impraticáveis. Sou desses que realiza e que posterga. Que pretende e procrastina.
No fim, eu só queria que minha vida se ajeitasse pra eu poder fazer mais pelos outros. Sonho tolo: ninguém nunca alcança a cenoura. Ela fica lá balançando. A gente a segue salivando há séculos.
Menos tensões. Mais amor. Nam-myoho-rengue-kyo, saravá, amém e zaz. 
Religião e política e futebol e o que for. Discute comigo? Mas deixa eu te amar e me ame? Seja você quem for? Ou o que pensar? Vamos tentar que menos gente mate e morra? Luta comigo pra não ter mais que sangrar? 
Sonha alto, vai!? Que tal? Não num maior quintal, mais num mundo onde o mundo é o quintal mais bonito e é de todos? Vamos ter o que comer? Todos nós termos direito a ter saúde? Vamos ajudar as pessoas a lerem o mundo que as descrevem em letras que elas entendem, escrevendo conteúdos pra que elas entendam? 
Vamos viver esse sonho? É um passo.
Depois o outro.
Vamos reaprender a dançar do primeiro compasso. 
De mãos dadas, passo a passo. 
Num abraço coração com coração.
Vamos ensinar e aprender sobre dar sem receber e sobre ter (e sentir) gratidão?
Não quero pensar no meu irmão que passa fome. Quero que ele coma. Limpe o prato lambendo. 
É utopia!? Que seja! Mas é que na minha mesa tem rango e tem prato na minha pia. 
Eu ainda posso sonhar no sonho dos outros... 
Com fome a gente só precisa comer. 
Com sede, beber.
Pra sonhar é preciso não estar preocupado demais.

Que o livro e o prato alimentem muita gente.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

O que importa

E nas mais profundas camadas, não importa o quanto fuja. Menos ainda importa o que o mundo fez com você, nada importa. Pouco importa o quão cruel foram as suas relações e quão duro você tenha se tornado. Ou se as dores foram mais que tropicões, mais do que topadas na quina da mesa, nada importa. Que a sua profissão te fez menos ou mais humano, ou se a alta do dólar te atingiu ou não, quase nada disso importa. Talvez importaria, mas não importa, quantos amigos você fez ou o que você tem deles. Ou se você foi sendo mais ou menos violento, ou amando mais ou menos as pessoas. Desimportante é saber se as coisas te deixam mais ou menos feliz, se as lutas foram duras ou se simplesmente tua vida anda fácil, nada importa. Menos ainda importa se você está ganhando mais ou menos dinheiro, ou se a tua alma anda mais ou menos alimentada pelo bem ou pelo mal. Se você está rezando mais ou menos, se não está rezando. Se comprou ou não aquela roupa cara ou aquele carro dos sonhos. Se a mulher mais bonita está ou não olhando para você, ou se realmente alguém está olhando para você. Se te aplaudem ou se te vaiam, importa não! Se anda cantando menos ou mais, se tem aprendido algo novo ou se não tem aprendido nada. Ou se anda reproduzindo coisas legais que aprendeu há pelo menos 10 anos atrás, mas que impressionam algumas pessoas. Ou que te olhem admirado ou não te olhem, que te respeitem ou não, se curtem o que diz ou não, se viaja para lugares legais, para lugares incríveis ou se não viaja. Se a dor de cabeça e o peito apertado estejam te enlouquecendo ou se não liga mais tanto pra saúde. Se toma mais remédios ou menos, se se droga ou não, se bebe, fuma, ou se transa por dias consecutivos ou não transa há séculos, se dorme bem ou mal, se tem medo de avião ou medo da morte ou medo de nada. Se a vida parece mais ou menos bonita, se a família tá perto ou se está longe ou se não está. Se os seus sonhos estão ou não se realizando, se está perdendo ou ganhando amigos, ganhando ou perdendo glamour, ganhando ou perdendo matéria, ganhando ou perdendo peso. Se anda longe ou perto, se parece distante ou cansado ou se a poesia não te atinge mais como o horóscopo, ou se não tem tempo nem mesmo para isso, não importa, não mesmo! 

No fim você nunca deixa, apesar de tudo, de ser o que, no fundo da sua alma, você sempre foi. 

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Redundância

Medo. Uma das minhas temáticas preferidas. Prefiro outras, de fato, mas não há porque fugir. Ou há? Fugir do medo não é ser corajoso, né? Ele fica lá, esperando a oportunidade de aparecer. De tudo se foge. Dele não. Ele é traiçoeiro. Fica na espera de alguma situação repetida, só pra poder florescer. Ah! se todo sentimento humano tivesse tamanha destreza. Como amaríamos? Como seríamos felizes... 
No alto de uma longa montanha, sem cordas e sem segurança, você pode se sentir calmo e seguro, se assim o medo quiser. Na solidão de uma casa, te fazer imaginar as coisas mais terríveis. Não dá pra parar? 
Derreto o cérebro sem precisar pensar muito. É a única fuga. Mas já fugiu de alguém ou de algo? Chega hora que cansa. E a gente já anda tão cansado, né? Se ele te encontra cansado é prato cheio. É como se fossemos ladrões sedentários contra policiais atléticos. Nós nos cansamos e deitamos. E ele chega intacto. Que fôlego tem o medo!
E daí que sentado, em pânico, esvazia o cérebro. No fundo ele te treina. E faz isso porque o mundo é isso aí mesmo. Ora se ama, ora se sofre, tem gente doente, tem probleminha todo dia, problemão de vez em quando, tem perda, tem ganhos, tem sofrimento, tem incerteza, tem dúvida, tem dor de cabeça, tem doença imaginária, tem sorriso, tem perigo, tem falta de ar, tem picos de encantamento. 
E é tipo tudo de uma vez. Me parece que há mesmo algo maior regendo tudo isso. É como se existisse um maestro e o medo fosse o tutor. É como se ele te preparasse para um concerto especial, do dia-a-dia. Creio que Machado de Assis, quando compara a vida à uma ópera foi um dos que mais se aproximou do que eu considero como uma metáfora perfeita. Mas saber se você é o músico ou o instrumento é questão de ponto de vista. Talvez funcionemos ora de um jeito, ora de outro. E há pausas. E o medo vem, te pega na mão e judia. Te faz ver onde errou, te faz reanalisar-se e buscar saída. Respiração 7 por 14, com calma. Desabafa. Transmuta o pensamento, o materialize em palavra. Descarregue que, ao estar na folha de papel, as coisas fazem mais sentido. Depois mostre para seus amigos. É bom.
O medo não é bom nem mal. Não é mocinho nem vilão. Ele é vital. 
Remédio amargo que vai te preparando. As vezes te tira a calma. Mas quero acreditar que é por um bem maior. A busca da paz interior. A calma que a gente tanto precisa. 
É um jeito de te fazer lembrar que de baixo de todas as camadas sociais que te cobrem, existe um frágil e lindo ser humano. 

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Sem título (acredita?)

Existe um lugar entre a zona de conforto e a zona. Esse lugar é vazio e frustrante. É quando nada te anima muito pra te tirar do sofá, ao mesmo tempo em que nada te garante a estabilidade de se poder ficar deitado. Nesse lugar o corpo dói, há desespero de se ter chegado a algum lugar e a certa loucura em não se saber se chegará a lugar algum. Nesse lugar, medianidade e mediocridade e hipocrisia e preguiça, dividem espaço com espasmos de rebeldia e raça. É como se o corpo quisesse se entregar e a mente quisesse se libertar, precisasse mais de cachaça. É um vagar sozinho, sem muitas esperanças e medos. Parece que tudo vai dar certo, mas parece que dar certo não é o bastante. Nesse lugar você não se preocupa se está feliz, se está comendo direito, se está dormindo bem ou com o quanto está bebendo. Nesse lugar você se fere ao fazer coisas que nunca imaginou que faria ou que poderia fazer. Se fere traindo ideais e ideias, traindo quem você pensa em ser ou pensava em parecer. Você segue meio desligado, e é perigoso, te alertam. É uma pré-depressão, uma mea-culpa intrínseca, um deixar-se sozinho enquanto rodeado, ou o contrário.
Nesse lugar, acredite, você pode repousar tranquilamente para acumular energias. A energia da preguiça, para depois destruí-la. A energia da dor, para curá-la. Palmas ao meu positivismo corajoso que da ar de medroso ao que escrevo. Depois me embelezo com meu melhor sorriso e minha melhor melodia, e o mundo aplaudirá a felicidade inesgotável daquele menino. ¡Qué Va! 

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Leads

Sim, claro que eu me lembro de sorrir as vezes. 

É divertido, garanto. É que a gente fica indo e indo. Queria ter mais tempo, pra não ter que sempre ir. Parar e deitar ou correr sem lugar, uns dias, só pra variar. Não ter que ficar olhando a estrada e a balança. Seus buracos, suas pedras e meus e-mails. E se tem lombadas, se é mão dupla ou se o sapato combina com o Chapéu. Se a velocidade está adequada e se estou infartando. Queria poder, lentamente, olhar pela janela e ver um astronauta na nuvem ou um buraco de cobra ou que fosse uma formiga carregando pedras, tanto faz. Por que não? No fim dessa estrada cheia de paradas e parábolas, pirambolas e prostitutas, está, acredite, o fim. 
Para que somos viciados em Prosperar? Mas isso pode esperar? Pode? Tenho inveja daqueles que abandonam aquilo que lhes dá segurança. Talvez eles estejam "piores", ganhem menos dinheiro. Mas eles vão e torram toda essa grana, toda essa gana. E eu ali, mentindo e criando inimigos, e brigando e ouvindo intrigas, e lutando contra monstros imunes, gente poderosa e burra. Nada mais poderoso que poder e burrice. É mais perigoso que poder e inteligência. É mais perigoso que poder e qualquer coisa. No fim a gente fica fingindo e todo mundo finge e é assim. Fico me mordendo pra ver o mundo, mas a dor do peso da responsabilidade cada vez maior imposta por ninguém além de mim, nada além das minhas escolhas, me trava. E daí que vou me doutrinando para ser mais paciente, sendo doutrinado para ser menos ansioso. 

Quando foi que meu frio na barriga virou uma Gastrite? Quando que aquela vontade de fazer tudo de uma vez me deu vertigem e falta de ar? 

Ar, penoso ar. Dificultado, pesado. Aperta o peito burro que sustenta essa máquina frágil. Ah, por que a gente não pensa e ponto? Por que sente? Tem dó! Sem som, o ruído é detectável por exames, oras. Tem estado bem e buscado o mal. Por que destruir-se? Não gosta da vida? Não entendeu o que ela representa? Pode ficar triste de vez em quando, mas daí ferir-se? Como ainda faz isso? Não percebeu que ao enfraquecer-se torna-se fraco? Não notou em nenhum minuto o quanto isso é burro? Sofre um monte, se irrita, faz parte. Mas é só. é A sua mania de ser novelístico. Busca Drama na vida e quer ser realístico no que cria. Nisso tudo se esquece que você não é, acredite, o centro do mundo. Não está em um palco sendo aplaudido. Nem estará quando estiver. "Divirta-me e vá embora. Pro inferno você e essas bobagens". 

Quando foi que aquela vontade boa de chegar aquele dia, aquela insônia boa onde de noite se pisca e acorda, pois sabe que amanhã é dia de Zoológico, virou uma pílula dentro de uma caixa controlada e sua faixa preta? 
Eu não sei. E eu sei que não sei. Daí que vem aquela vontade de ir se tornando cada dia mais jovem. Mas além de impossível, se corre o risco de ir se tornando ridículo. "Você não será bonito por muito mais tempo". 

E precisamos nos preocupar com isso? Com que se preocupar então? Pra que se pré com qualquer coisa se já ando tão ocupado?

E me policio e me policiam. E que droga! Que droga? E eu tentando me lembrar de sorrir, mesmo sem ser de propósito ou com propósito. Eu te garanto, mesmo sem ter muita certeza, que isso sempre pode, quando dá, fazer bem pra alguém. Não que isso importe tanto, ou que algo precise ser importante. Mas logo mais é pegar o canudo, jogar ele pro alto e ver se ele te puxa em direção à Lua. Há dias que a noite sorri pra mim e eu não sorrio de volta pra noite. 

E isso deve ser um problema. Afinal, quando a gente é adulto, tudo meio que é um problema, né?

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Enquanto tenta arrumar desculpas auto-destrutivas, luta incessante para ser alguém. Escolhe aí. Tá na tua mão ir em frente ou desistir de se enfrentar. É bom vitória? Gostou tanto que parou de andar. Daí que dava desculpas tantas que, descuidado e despreocupado que era, já estava meio atrofiado. Começa assim: hoje não, talvez amanhã. Mas aqui tá tão bom. Mas precisa mesmo? Com sorte, a gente vai pra frente. Mas pra isso, aquele movimento de por a perna pra frente e depois a outra, aquele mesmo que a gente faz sem nem pensar, é necessário, meu caro.São as escolhas? É assim. Vive aí.  Já conhece o mundo, já sabe das dores. Dói porra, tudo dói um pouco. Dói e passa. Dói e consome, daí que você vai rir logo, logo. Nada foi fácil, não ia ser agora. Não ia mesmo. Mas vai ser mais uma fase e amanhã ou depois ou logo mais vai tá tudo bem. Dói e muito. Mas a gente já sabe da dor. A felicidade vem de novo. Você vai ver. Bate na porta e a gente nem repara. Quando vê tá lá, com aquele sorriso cínico como se nunca tivesse saído. Ela é assim, sempre foi. Daí dizer "Ah, que sempre foi assim". Sempre foi e nunca mais será. E se for, é pra crescer, porra. Crescer é tarefa que ultrapassa essa caralhada cronológica. Crescer é crescer, você sabe como é. A vida vai te dar porrada porque ela tem que dar. Só coisa boa? Onde lá se viu? Que venha agora e que a fase seja boa. Nam myoho rengue kyo.

sábado, 10 de agosto de 2013

No inverso

E se toda força fosse farsa?
E se toda a verdade fosse inútil?
E se toda canção dissonante?
Se tudo isso fosse carma?

E se não fosse necessária a calma?
E se não tivéssemos opções?
E se não tivéssemos alma?
Se na vida não fossem importantes orações?

E se não houvesse rima pobre?
E se toda palavra fosse rica?
E se falar bonito fosse brega?
Se falar sobre filosofia não fosse piega?

E se arrancássemos nossas máscaras?
E se Carnaval fosse a vida toda?
E se dinheiro não fosse tudo?
Se o jogo da vida não fosse desse mundo?

E se o dólar subisse de novo?
E se os empregos sumissem outra vez?
E se o governo roubasse ainda mais?
Se ninguém se importasse com vocês?

E se o Papa usasse drogas?
E se a bondade usasse cores escuras?
E se o Diabo fosse Buda?
Se as religiões fossem as ruas?

E se o fim fosse o fim mesmo?
E se fechar os olhos fosse eterno?
E se aquele for o último terno?
Se acabar fosse só aquele instante?

E se as coisas não fossem misteriosas?
E se tivéssemos todas as respostas?
E se tivéssemos todas as perguntas?
Se a vida de ninguém fosse torta?

E se não fosse necessário trancar a porta?
E se embaixo do cobertor fosse lugar seguro?
E se fechar os olhos nos tornasse invisíveis?
Se as crianças estivessem todas certas?

E se a luz de um dia te mostrasse as janelas abertas?
E se a noite iluminasse?
E se a pedra fosse poesia?
Se a pétala quebrasse rochas?

E se o fogo só fosse bonito?
E se água só fizesse bem?
E se pneu molhado não trouxesse mosquito?
Se ninguém fosse maltratado por ninguém?

E se gente pobre não fosse doente?
E se gay não fosse doente?
E se quem fala diferente não fosse doente?
Se a doença não fosse o medo burguês?

E se a Tv fosse confiável?
E se os blogs fossem honestos?
E se as pessoas todas fossem imparciais?
Se falar mentira fosse igual falar verdade?

E se virtude fosse honestidade?
E se tudo isso não fosse por interesse?
E se ninguém mais fosse tão burro?
Se a burrice fosse raridade de uns poucos?

E se toda força fosse farsa.
Eu saberia escrever em rima rica.
Eu me esforçaria em ser poeta.
Tentaria arrancar mais poesia do dia.

Mas aí vem as dúvidas.
E deixam o trabalho divertido.
E eu pontuo cada verso.
Procuro na interrogação um amigo.

E no ponto final um bandido.
E a esperança no inverso.

terça-feira, 18 de junho de 2013

A Primavera Brasileira

O dia de ontem acabou. 17 de junho de 2013. E como em toda a Primavera, "uma flor nasceu" nas ruas. 
Há esperança.
O que se conseguiu? Mudar o Brasil?
Mostramos que a gente é que nem bicho parado do lado do osso. Não mexe no meu. Nem no do meu irmão. Quero ir pra rua lutar pelos R$ 0,20, mesmo que não sejam significantes. É o preço do justo, da justiça.
Pouco importa quanto se gasta no tênis que se usa, como pobres babacas andaram dizendo por aí.
Aliás, pouco importa os pobres babacas.
O mundo olhou, aplaudiu. E as pessoas cantaram o Hino. 
Velhinhas contavam os motivos de estarem lá, fazerem parte disso.
A luta não acabou.
Mas aquele papo de "O sonho acabou" pro Brasil não tem mais sentido.
A gente acordou. 
Sacudindo devagar, que nem num samba antigo.
Cuidado: 

Sinto cheiro de espírito jovem.

sábado, 25 de maio de 2013

Neblina

Enquanto estiverem molhados, marejados  esses olhos, há algo vivo que espera aí dentro. Essa vontade que te levanta numa madrugada fria, ela não pode ser apenas necessidade: ter que lavar o rosto numa pia suja ou numa pia de ouro, te avisam a mesma coisa. Há de se repensar enquanto ser. Motivo pra levantar, motivo. Viver é tarefa diária de autoconvencimento. Viver é tarefa sem sentido, de buscar recompensas. Um reforço positivo. Um pouco de ração pro espírito a cada choque. Daí que a gente vai sendo levado pela noção de qualquer coisa, e depois é cada um por si tendo pesadelo e imaginando a vida como algo significativo. Daí que a gente vive é pra acumular. Sozinho. Você e mais ninguém. Aproprio-me do que não pertence a ninguém, só pra dizer que tenho mais do que somente a mim. Bato, apanho. Viver é tarefa doída. Doida. Dormir 3 horas por dia, motivado pelo que? Ler um bom livro? Comer em um Restaurante mais caro? E o arroz? E a carne moída? E quando você, criança, chorava por que você queria um Yakult? Hoje ele tá ali, na altura das suas mãos. Seu dinheiro compra cada vez mais coisa. O que te dói? Por que você tem medo? Agora sozinho, você ensina. Daí que você vai ganhando gosto pela coisa, não é? Deixa esse brilho se manter, essa vivacidade, que a Neblina espessa que cobre o vale da janela do ônibus, você que veio da cidade grande, vai te molhar os olhos. Você entende uma nova língua? Que mundo é esse que te faz querer acordar? O que ele tem de diferente de outros Mundos? Eu era uma criança preocupada com o mundo. Quando eu descobri que o dinheiro ia perder zeros, chorei. No fundo sempre tive medo do Real. Daí que a gente saiu com o coração partido, com gente te contando que o mundo era grande. Você, patético, acreditou. E agora, não consegue mais parar. Aquele diploma, aquela viagem. No fundo, molhar o rosto e olhar pro espelho não pode ser deixado de lado, como lição automatizada, stand by cerebral. Eu sempre me olho no espelho enxergando cada camada, até desaparecer. Vou olhando mais fundo e mais fundo pra me ver. Aquele menino imaginativo que foi indo pro mundo, hoje chora por poder ensinar. Ele encontrou seu motivo. Ele acorda com dificuldade, como todo mundo que quer continuar na cama. Daí que ele vai despertando e 5 minutos depois ele já pensou em umas 20 coisas que o deixam feliz. A gente mente tanto pra gente que chega a se convencer! Eu, o menino, você, levantamos e colocamos nossa máscara mais bonita, só pra deixar o teatro do dia mais gracioso. Em cena, com os textos decorados, vamos encenando. E aí, quando a luz apaga, é triste. Eu não me lembro da última vez que eu fiz uma coisa própria da minha personalidade. Mas eu posso ensinar alguém. Se eu te contar como o mundo é grande, você jura que olha pela janela pra conhecê-lo? Promete pra mim que põe a cara pra fora, só pra sentir essa brisa? Não deixa essas bobagens te deixarem pra baixo? É pra ter lógica mesmo não. Deixa que o matemático acredite nisso. Você pode saber a verdade. Ela é única e ninguém a conhece e é aí que está a beleza. Mas você só a merece olhando pra fora, levando o cachorro pra passear. Aquele menino viu e se assustou. Mãe, me espera? Quando eu voltar eu vou ser um homem. Você espera? Eu espero. Enquanto meus olhos brilhosos enxergarem, mesmo que embaçada, essa luz por dentre a neblina da alma.